Saiba quais bens pessoais podem ter seguro

Seguro é uma estratégia bastante funcional nos dias de hoje e pode te ajudar em momentos em que tudo parece estar perdido, sendo fundamental para a sua segurança. Por isso, hoje veremos quais bens pessoais podem ter seguro.

Assim, o texto de hoje abordará e se aprofundará no tema seguro, como ele é importante para o seu dia a dia, como funciona o seguro para proteção de bens pessoais, além de explicar e contextualizar o funcionamento de seguros para equipamentos eletrônicos.

A utilização para seguros pessoais é bem comum na sociedade. Diversas empresas ao comercializar algo já vendem um serviço de seguro como prevenção e auxílio para que o cliente tenha alguma segurança caso o pior aconteça com o que foi comprado.

Porém, seja um bebedouro de pressão ou um automóvel, existem objetos que melhor se encaixam nessa categoria, enquanto outros podem ficar com o campo e utilização da manutenção preventiva, que também é muito vista por aí.

Mas a ideia do seguro parte do princípio do tamanho do investimento feito em algo, auxiliando em casos de, principalmente, roubo e manutenção. Um bom exemplo são os carros e celulares.

Um celular muito bom nos dias de hoje pode custar bem caro e, pode acontecer uma infelicidade como um furto no primeiro mês de prestação, deixando uma sensação bastante frustrante e de inseguranças para a vítima.

Ninguém está completamente seguro de acidentes e incidentes, nem a pessoa que realizará a instalação de interfones em sua casa ou você dentro do seu próprio carro. Por isso, os seguros têm sido bastante procurados nos dias atuais.

Portanto, para ficar por dentro de como funciona o seguro e entender quais os seus bens pessoais que estão elegíveis à utilização deles, confira os tópicos a seguir onde serão aprofundados mais pontos sobre o tema.

Primeiramente: como funciona o seguro?

Antes de mais nada, é necessário entender como funcionam os seguros de bens pessoais, para que você tenha maior segurança ao investir dinheiro em alguns itens, podendo variar desde um carro até mesmo peças para carretas.

Primeiramente, é importante saber que o seguro se aplica apenas para bens de luxo, bens residenciais e smartphones. Em outras palavras, o seguro é aplicado em equipamentos e objetos que custam uma certa quantia para o proprietário.

Essa ideia funciona para ambos os lados. Não há sentido em pagar um valor mensal para ajudar na manutenção e segurança de um item muito barato, sendo provável que após alguns meses acabe se pagando mais dinheiro com a mensalidade do que com o valor total do item.

Em outras palavras, o seguro é uma garantia e ajuda para recuperar esses artigos mais caros, diferentemente de uma cesta de alimentos, embora seja reconhecida a sua importância e necessidade da sociedade.

Todo tipo de seguro impõe alguns critérios que são necessários serem seguidos para a utilização e aplicação. Exemplificando primeiro o smartphone, alguns desses elementos essenciais para que o prejuízo seja coberto é:

  • Possível queda acidental;
  • Incêndio;
  • Cobertura internacional;
  • Impacto de veículos;
  • Dano durante tentativa de roubo.

Como é possível verificar, apenas estes itens já cobrem boa parte dos grandes problemas que uma pessoa utilizando smartphones poderia ter, bem diferente de outros possíveis itens como persiana para sacada, onde o seguro não é aplicável.

Esses acima destacados podem se aplicar também a equipamentos portáteis, dependendo obviamente do valor do item, conforme já mencionado anteriormente no texto. Em outras palavras, nem todos os portáteis podem ser aplicados ao seguro.

Pode-se dizer que, nos dias de hoje, o smartphone é parte da vida das pessoas e é considerado, até mesmo, uma extensão delas em alguns casos. Isso porque muita gente tem boa parte da vida como dados dentro do celular.

Seja informações sobre a sua loja de camisetas bordadas ou conta bancária, perder um smartphone significa ter que correr atrás de diversos prejuízos e ações para desvincular tais contas do celular para a segurança do indivíduo.

Deixando de lado momentaneamente o papo de roubo, também sempre é necessário ter cuidados físicos com o celular. Apenas película padrão ou de vidro, até mesmo uma capinha anti impacto, podem não ser o suficientes para proteção dele.

E, caso não tenha um seguro que cubra a despesa, o investimento para arrumar pode ser bastante alto, muitas vezes chegando próximo a metade do valor investido no aparelho, superando até mesmo o preço de uma balança industrial.

Para o caso de outros bens industriais, os mesmos cuidados são necessários para evitar ao máximo que incidentes aconteçam. Mas diferentemente do celular, não é possível tentar amenizar ou proteger de um impacto com apenas uma capinha.

Quando pensamos em bens de luxo, é necessário ler muito bem o contrato e entender qual a cobertura oferecida pelo seguro. Não é algo tão simples como comprar ou ler um manual de instruções para utilização de dispenser de ração.

Existe a indenização parcial e a integral e, como o próprio nome diz e já sugere, cada uma visa algum tipo de devolução do dinheiro dependendo do caso.

Quando se pensa na integral, o valor entregue se destina para substituir o item perdido. Já a parcial, depois de uma análise, é devolvido apenas uma parte do dinheiro por existir a possibilidade de recuperação do item, podendo chegar a até 75% do valor dele.

Um ponto para ficar atento é o valor pago da franquia. Isso significa que não é apenas porque alguém contrata o seguro que ele irá arcar com todas as despesas de algum item, mais um motivo do porque existem vários tipos de planos para cada cliente.

Por exemplo, se o artigo de luxo é danificado e o seguro consegue cobrir a situação, se a franquia paga pelo cliente é a mínima, parte do gasto, no caso de indenização parcial, vai para a seguradora e parte para o proprietário.

Seguro para equipamentos eletrônicos

Existem alguns outros equipamentos eletrônicos além do smartphone que podem ser beneficiados com o seguro de bens como tablets, kindles, notebooks, filmadoras, câmeras fotográficas e outros diversos exemplos.

Nesses casos em específico, é comum do seguro cobrir furto e roubo, além de quedas e impactos. Nem sempre a indenização é integral, principalmente com impacto e quedas. Porém, existem peculiaridades, dependendo do equipamento eletrônico assegurado.

Por exemplo, no caso de uma filmadora, é necessário que, conforme o tempo passe, seja realizada a troca de lentes, que pode ou não ser coberta pelo seguro. Muito disso deve ser verificado no momento de assinatura do contrato.

Não apenas isso, mas o consumidor também deve se atentar a garantia do produto, podendo em alguns casos estender o período, embora muitas vezes o valor suba, ou haja uma espécie de troca entre um equipamento para que ela seja aplicada.

Os mesmos critérios mencionados ao longo do texto também se aplicam aqui, por exemplo problemas causados por impactos e quedas, roubos, furtos, mal funcionamento e incêndios.

Então, neste caso, ainda mais do que os outros, é necessário ter muita atenção aos valores, tanto da cotação quanto da apólice, para não sair em prejuízo caso alguns dos elementos descritos acima acabem acontecendo com o seu item.

Como dica e orientação, é importante ler bastante o contrato e não deixar passar nada, pergunte o máximo que puder e retire todas as possíveis dúvidas que possam surgir durante o período de procura pelo seguro. 

Também é indicado procurar pelo melhor plano de seguro que atenda às suas necessidades. Não tenha vergonha de pedir ajuda ou orientação a pessoas que já fizeram algum acordo, afinal, se elas estão felizes com o seguro, é por um bom motivo.

Seguindo essas pequenas, porém valiosas dicas, você estará ciente de todos os direitos que têm com o seguro como consumidor e também dos seus deveres, extraindo o máximo que o serviço pode te oferecer e criando mais segurança para o seu bolso.

Considerações finais

O texto de hoje abordou e se aprofundou nos bens pessoais que podem ter um seguro, como é importante ter essa segurança quando se investe muito dinheiro em algo, além de quais possíveis problemas o seguro cobre sobre seus itens.

Claro que muito dependerá de qual objeto você está utilizando, quando o cuidado que você tem com ele, quanto de dinheiro foi investido, sua rotina na utilização deste item, dentre diversos outros fatores que impactam diretamente a integridade dele.

O importante é entender o conceito do seguro e a sua relevância no mercado, aumentando a segurança que você tem ao comprar algo que possa, por um acidente, quebrar ou ser furtado.

Resta agora que você pesquise bastante qual seguro contratará, aproveitando ao máximo esse serviço que ainda, infelizmente, muitas pessoas não têm.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Post relacionados